Três Irmâs

Três Irmâs

17,91€ 19,90€
-10%

Ler Mais

Sinopse

PROMETERAM NUNCA SE SEPARAR.
ENTRE ELAS, NASCEU UM LAÇO INQUEBRÁVEL.
E UMA FORÇA TREMENDA PARA SOBREVIVER.

Contra todas as probabilidades, três irmãs eslovenas sobreviveram a vários anos no mais conhecido campo de morte da Alemanha nazi: Auschwitz.
Livia, Magda e Cibi aguentaram tudo juntas: quase morreram de fome e trabalhos forçados e sofreram todos os requintes de malvadez dos guardas de um dos mais horríveis sítios de que há memória. Mas, agora, os Aliados aproximam-se e as três irmãs têm de enfrentar uma última provação: a marcha da morte - sim, os nazis querem tentar apagar todas e quaisquer provas da existência de prisioneiros em Auschwitz. Por sorte do destino, Livia, Magda e Cibi conseguem escapar à formação da marcha e escondem-se na floresta durante vários dias, até serem salvas.
E é aqui que esta história realmente começa. Dali, as três irmãs viajam para Israel, a sua nova casa, mas a luta pela liberdade ganha então novas formas. Livia, Magda e Cibi têm de enfrentar os fantasmas do seu
passado - além dos segredos que esconderam umas das outras - para encontrar a paz e a felicidade verdadeiras.

INSPIRADO NUMA HISTÓRIA REAL, E COM EPISÓDIOS QUE SE ENTRELAÇAM COM OS DE LALE, GITA E CILKA, TRÊS IRMÃS VAI TOCAR O ESPÍRITO E O CORAÇÃO DOS LEITORES - E NELES FICARÁ, COMO HISTÓRIA SOBRE O QUE É A VERDADEIRA CORAGEM, PARA SEMPRE.

Detalhes

  • Título Original Three Sisters
  • Categoria Ficção
  • Sub-categoria Romance Histórico
  • ISBN 9789722367981
  • Nº de Páginas 432
  • Data de Lançamento 10/2021
  • Dimensões 232 x 150 x 30 mm
  • Formato Capa Mole
  • Peso 486g

Citações

  • «Tal como todos em Auschwitz, também elas passaram a viver um dia de cada vez, e, quando à noite fecham os olhos para dormir, há uma centelha de contentamento porque sobreviveram a mais esse.»
  • «Já aprenderam a simular indiferença. Jamais devem deixar transparecer choque, medo, raiva ou terror. Se querem sobreviver, devem fazer-se invisíveis.»
  • «Um dia, o ouro perguntou ao ferro: "Porque gritas quando te batem? Também me batem, mas não me ouves gritar, pois não?" E o ferro respondeu: "Grito porque o martelo que me bate também é de ferro, portanto é meu irmão. É isso que me dói. A ti, bate um estranho."»
  • «Todos aqueles que agora vão desfilando diante delas, outrora jovens felizes e saudáveis, tornaram-se gente para sempre marcada pela desumanidade, pelo sofrimento e pela degradação. Como pôde acontecer algo assim?

Opiniões

Baseado em 3 opiniões Partilhar Opinião

Customer Reviews

Based on 3 reviews
100%
(3)
0%
(0)
0%
(0)
0%
(0)
0%
(0)
T
Tita
Incrível história de resiliência

Cibi, Magda e Livi são três irmãs eslovenas, que em 1929 o pai pede-lhes que prometam que se apoiem sempre e nunca se separem. Em 1942, Livi com apenas 15 anos é convocada para se apresentar, e Cibi, de 19, decide juntar-se à irmã, cumprindo a promessa que tinha feito ao pai. Enquanto Magda, com 17, está internada no hospital.
Cibi e Livi são então levadas para Auschwitz, e onde vamos ficar a conhecer todas as dificuldades e horrores que sofreram. Mas, com uma força e coragem incríveis e sempre com um grande amor fraternal. Mais tarde, Magda acaba também por não escapar a Auschwitz-Birkenau e as três irmãs reencontram-se.
Acompanhamos também a vida das três irmãs no pós-guerra, o regresso à casa de origem, as suas dificuldades, e a partida para Israel. E achei muito importante a autora ter continuado a dar-nos a conhecer a vida destas irmãs.
Achei bastante interessante como a autora conseguiu abordar os sentimentos de culpa dos vários sobreviventes. Quanto à escrita, é muito simples e mais juvenil, o que está totalmente em linha com a idade inicial das três irmãs, fazendo-nos sentir mais próximos delas e da promessa que tinham feito ao pai.
Outro ponto que me conquistou foi a nota da autora, onde ficamos a conhecer melhor o que aconteceu a cada membro da família depois de a guerra ter terminado. Temos também posfácios de Lívia e de outros membros da família.

S
Sandra Chaves
Maravilhoso

Já começo dizendo: “que leitura!”
Um livro repleto de desgosto, esperança, desespero e alegria, com uma narrativa crua que te leva a uma montanha russa de sentimentos.
Inspirado numa história real, conhecemos aqui a história de três irmãs que sobreviveram às priores atrocidades de Auschwitz e continuam a construir as suas vidas e família em Israel.
A história das três irmãs, Cibi, Livi e Magda, é notável. Cibi, a mais velha dedica-se a proteção da sua irmã mais nova Livi, uma vez que ambas são transportada da Eslováquia para os campos de concentração na Polônia, enquanto Magda consegue permanecer escondida em casa a cuidar da sua mãe e do seu avô.
Contra todas as probabilidades, as irmãs novamente estão unidas e dão uma a outra a esperança de continuarem juntas. Sofrendo doenças, fome, violência e traumas, as irmãs consegue permanecerem esperançosas, impulsionadas em se manterem juntas e cuidando uma da outra.
Heather tem uma forma incrível de contar essas histórias desoladores, devorei esse livro me sentindo ao lado das irmãs, sentindo suas dores e suas lutas. Não tem como terminar esse livro com os olhos secos, com certeza foi uma leitura que merece 5⭐️

M
Maria José
Que história inspiradora!

Que livro!! Que história dura e tão inspiradora. Relata o inferno, mas transmite tanto amor e esperança. Tanta resiliência em corpos tão frágeis.

Este testemunho começa com uma promessa. Uma promessa entre três irmãs, de sempre se apoiarem e nunca se abandonarem. A força dessa promessa revelou-se na coragem destas jovens.

Cibi, Magda e Livi, três irmãs, três mulheres que conseguiram sobreviver ao extreminio de seis milhões de judeus. Conseguiram resistir aos campos de concentração, à fome, às doenças e especialmente à maldade humana.

Este é um livro muito completo sobre o que os sobreviventes do Holocausto passaram. Depois de lhes ter sido roubado tudo, incluindo a sua dignidade e identidade, no seu regresso à vida, voltaram para as suas terras e descobriram que não tinham nada, que perderem casa e bens, famíliares e amigos. Apenas recuperaram a sua identidade. Mas em quem se tornaram?
Nos seus países ainda vigorava o anti-semitismo, eram constantemente humilhados e não lhes era fácil arranjar trabalho, tinham de viver da caridade daqueles que se compadeciam deles. Para além disso viviam assombrados com os fantasmas do passado, com a saudade, com os pesadelos, com o medo e com a culpa. A culpa de sobrevivência. Porque conseguiram elas sobreviverem enquanto milhares padeceram?

Mais um testemunho muito importante que aconselho sem reservas. É duro mas com uma forte mensagem de homenagem à vida.