A Máquina de Xadrez

A Máquina de Xadrez

7,50€ 17,16€
-56%

Ler Mais

Sinopse

Baseado em factos verídicos, A Máquina de Xadrez é tanto um romance histórico como um thriller empolgante. Por volta de 1770, o barão Wolfgang von Kemplen tenta conquistar o favor da imperatriz austríaca Maria Teresa, apresentando em Viena um autómato vestido como um turco e pretensamente inteligente, capaz de derrotar os melhores jogadores de xadrez. De facto, no interior da máquina, um verdadeiro prodígio mecânico, esconde-se Tibor, o anão que Kemplen resgatou dos calabouços de Veneza. Depressa o Turco se torna famoso por toda a Europa, até que, nas celebrações do casamento de Maria Antonieta e Luís XVI, uma baronesa é encontrada morta em misteriosas circunstâncias.

Detalhes

  • Título Original Der Schachantomat
  • Categoria Ficção
  • Sub-categoria Romance Histórico
  • ISBN 9789722341219
  • Nº de Páginas 338
  • Data de Lançamento 4/2009
  • Dimensões 230 x 150 x 17 mm
  • Formato Capa Mole
  • Peso 493g

Críticas

  • «Um sucesso esmagador, como não acontecia há muito.»Der Spiegel
  • «Uma história real, com uma pesquisa bem feita e contada como se se tratasse de um policial.»Bayern3
  • «O romance de Löhr desenvolve-se de maneira despretensiosa e revela detalhes históricos fascinantes. [...] Os diálogos são espirituosos e cheios de alusões históricas.»Die Gazette
  • «Robert Löhr [...] conta-nos a história de uma mentalidade, de uma moral, de uma sociedade. Tudo de uma forma leve, fluida e viciante. Digam lá outra vez que os alemães não sabem escrever romances históricos.»Die Welt
  • «O turco mecânico era uma fraude: o truque mais elaborado e com mais sucesso dos séculos XVIII e XIX. Agora é o tema de um maravilhoso romance de Robert Löhr. A Máquina de Xadrez começa com a história da carreia de Kempelen, mas Löhr adicionou ao enredo ingredientes como a intriga, o assassínio e o romance. Apesar da excitação e do humor, há uma emoção surpreendente por detrás da história. Löhr não a torna pesada com reflexões sérias, mas vai sempre dando a entender as alarmantes implicações da modernidade, o efeito metafísico das nossas ilusões tecnológicas.»Washington Post
  • «Para romance de estreia, Robert Löhr conseguiu um golpe de mestre. A sua narrativa ofegante, que mergulha no mundo do xadrez, é tirada de uma autêntica fraude do Iluminismo. [...] A intriga [...] está construída como uma partida de xadrez. Longe de serem simples peões, os protagonistas estão habilmente colocados e fazem de A Máquina de Xadrez um thriller soberano [...]»Le Figaro