Utilizamos cookies para lhe oferecer um serviço melhor. Continue a navegar ou saiba mais.


Adicionar ao carrinho

24,90 € 22,41 €

Nº na Coleção: 644
Data 1ª Edição: 22/09/2016
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5895-8
Nº de Páginas: 640
Dimensões: 150x230mm

Opiniões em Blogues

Adicionar à lista
Adicionado à lista:
Visualizações: 1650
Presente em:
1 lista de favoritos

 

Partilhar:
.
Uma Estranheza em Mim
por Orhan Pamuk (Autor)

O novo romance de Orhan Pamuk combina uma história de amor marcante com um retrato muito pessoal de Istambul e das profundas mudanças aí ocorridas entre 1969 e 2012.

Mevlut viu-a apenas uma vez e foi o suficiente para se apaixonar. Após 3 anos de cartas enviadas em segredo, decidem fugir. A escuridão da noite auxilia a fuga mas a luz de um relâmpago revela um engano terrível que os marcará para sempre.

Chegados a Istambul, Mevlut decide aceitar o seu destino seguindo os passos do pai. Todas as noites vende boza, uma bebida tradicional turca, esperando um dia enriquecer. Durante 4 décadas acompanhamos Mevlut pelas ruas de Istambul, o seu olhar face às alterações que ocorrem e as diferentes pessoas com quem se cruza.

Uma Estranheza em Mim, do autor Prémio Nobel da Literatura, foi candidato ao Man International Book Prize 2016.


Frase do livro Uma Estranheza em Mim


Seja o primeiro a comentar este livro
Citações
  • «A loucura de Pamuk contém uma genialidade única.» | Umberto Eco
  • «Magistral. Os leitores não se esquecerão de Mevlut ou da Istambul de Orhan Pamuk. Ambos têm demasiada vida para existirem apenas nas páginas de um livro.» | The Wall Street Journal
  • «Tal como James Joyce com Dublin, Orhan Pamuk revela-nos a Istambul profunda. Dá-nos não apenas o aspeto e a atmosfera, mas também a cultura, as crenças e tradições, os habitantes e os valores da cidade.» | The Washington Post
  • «Não esquecendo a dimensão política, trata-se de um romance sobre o trabalho, o amor e a família. Envolvente.» | The Sunday Times
  • «Orhan Pamuk leva-nos numa narrativa que, atravessando várias décadas, traça um retrato quase antropológico da obsessão, das classes sociais e das ideias sobre o Oriente e o Ocidente.» | The New York Times