Utilizamos cookies para lhe oferecer um serviço melhor. Continue a navegar ou saiba mais.


Adicionar ao carrinho

15,50 €

Editora: Manuscrito
Data 1ª Edição: 19/10/2017
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-88-7125-1
Nº de Páginas: 312
Dimensões: 156x233mm
Adicionar à lista
Adicionado à lista:
Visualizações: 3415
Presente em:
1 lista de recomendação
1 lista de favoritos

 

Partilhar:
.
Todos os Dias São Para Sempre
por Raul Minh´alma (Autor)

Depois de Larga Quem Não Te Agarra, o livro revelação com mais de 35 mil exemplares vendidos, 12 edições e com edição no Brasil, o autor bestseller Raul Minh’alma apresenta a sua nova obra: Todos os Dias São Para Sempre.

«Não deixes nunca de viver o que quer que seja só porque sabes que vai acabar. Tudo é para ser vivido, mesmo aquilo que sabemos que vai acabar em breve. Principalmente isso. Pois tudo nos ensina, tudo nos faz crescer, tudo nos acrescenta, nem que seja experiência. E se mais nada podemos levar, pelo menos o ensinamento ninguém nos tira. Por isso vive. Tudo. Até ao fim.»

Se há livro capaz de te fazer acreditar mais em ti, no futuro e no amor, é este. Pois além de saber muito bem quem és, sabe ainda quem queres e podes ser. Não te vai dizer apenas aquilo que gostas, mas também aquilo que precisas de ouvir. É um livro que quer ser como um amigo para ti. Dar-te a mão quando te desequilibrares, levantar-te quando caíres e limpar-te as lágrimas quando chorares.


Seja o primeiro a comentar este livro
Notícias
Citações
  • «Rapaz, ela não precisa de algo superelaborado, supercaro ou super qualquer coisa. Ela precisa de algo que seja feito especialmente para ela, com carinho, com amor e com toda a atenção do mundo. Ela precisa da tua mensagem de bom dia todas as manhãs.» | Todos os dias são para sempre
  • «É mais fácil acreditar que já está tudo escrito. É mais fácil empurrar as responsabilidades para a vida. Por isso é que acreditamos tanto no destino e na ideia de o que tiver de ser, será. É demasiado pesada a culpa de uma escolha mal feita. É agonizante perceber que somos os culpados pela nossa própria destruição. É difícil aceitar que fizemos asneira e que já não dá para corrigir. Então preferimos acreditar em ilusões impossíveis de negar, como o destino.» | Todos os dias são para sempre