Utilizamos cookies para lhe oferecer um serviço melhor. Continue a navegar ou saiba mais.


Adicionar ao carrinho

15,90 €

Coleção: Sociedade Global
Nº na Coleção: 68
Data 1ª Edição: 21/07/2016
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5857-6
Nº de Páginas: 272
Dimensões: 149x230mm
Adicionar à lista
Adicionado à lista:
Visualizações: 4210
Presente em:
1 lista de favoritos

 

Partilhar:
.
Quando Roubar um Banco - Um guia 100% freak para entender a economia e o mundo

Dos mesmos autores de Freakonomics, o bestseller mundial sobre economia em 10 anos de celebração!
Para celebrar o 10.º aniversário da publicação de Freakonomics, Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner prepararam-nos esta seleção de entradas do seu blogue de economia, um dos mais visitados de sempre.
É a solução perfeita para os milhões de fãs de Freakonomics: surpreendente e apelativo, eloquente e espirituoso, Quando Roubar Um Banco relembra-nos a genialidade que fez destes autores um fenómeno internacional, com mais de 7 milhões de exemplares vendidos em 40 línguas, e 150 milhões de downloads dos podcasts da Freakonomics Radio.
No seu estilo bem-humorado, curioso e irreverente, os autores abordam temas tão variados como por que razão mentimos, quanto é que a Pepsi pagaria pela fórmula secreta da Coca-Cola, o preço da gasolina, quão puro é o altruísmo e, claro, qual a melhor ocasião para roubar um banco.
Ficará ainda a conhecer as obsessões e paixões dos autores, desde o golfe ao gamão, passando pela abolição do cêntimo.

Quando Roubar um Banco

Comentários:
"Há que goste de ideias fora da caixa.
Levitt e Dubner adoram perguntas fora de caixa...que deixam qualquer leitor entusiasmado, curioso e com vontade de seguir-lhes o exemplo."
colocado por Gonçalo Belchior, em 19/4/2017
Gostou deste comentário? Sim Não
Citações
  • «Este livro dá-lhe tópicos de conversa para brilhar em qualquer ocasião social.» | National Public Radio
  • «Um livro magnífico que associa factos improváveis com detalhes históricos, destacando os autores dos restantes cientistas sociais.» | New York Times
  • «Agora somos todos freakonomists.» | Washington Post