Utilizamos cookies para lhe oferecer um serviço melhor. Continue a navegar ou saiba mais.


Adicionar ao carrinho

21,50 € 19,35 €

Editora: Manuscrito
Data 1ª Edição: 22/06/2017
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-88-7100-8
Nº de Páginas: 552
Dimensões: 155x234mm
Adicionar à lista
Adicionado à lista:
Visualizações: 619

 

Partilhar:
.
Apanhados - As investigações judiciais às fortunas escondidas dos ricos e poderosos.
por António José Vilela (Autor)

Apanhados é uma viagem às investigações judiciais e aos jogos de bastidores de três grandes operações do Ministério Público: Furacão, Monte Branco e Marquês. No centro de todos estes processos há um fator comum: os milhões de euros escondidos através de complexos circuitos e entidades sediadas em offshores.

Com base numa rigorosa investigação jornalística, na consulta de milhares de documentos e de entrevistas a informadores privilegiados, o autor leva-nos numa viagem a um mundo de esquemas e circuitos internacionais de fuga ao fisco, por onde passam muitas malas carregadas de dinheiro. Conheça as fortunas escondidas dos Barbot, dos irmãos Sacoor, Horta e Costa e Ricardo Salgado. Os pagamentos feitos por fora a Scolari ou Jorge Jesus. A mulher fatal de Isaltino Morais e os circuitos de offshores na Suíça e no Panamá, Cabo Verde e Singapura. A conspiração da Portugal Telecom, os homens-sombra dos Espírito Santo e como José Sócrates foi apanhado.

Mas este livro é também uma investigação às próprias investigações judiciais, ao tempo que demoram, aos resultados que conseguiram, aos muitos episódios rocambolescos que aconteceram e às guerras dos investigadores judiciais e policiais.


Seja o primeiro a comentar este livro
Citações
  • «A gigantesca situação de evasão fiscal durava certamente há muitos anos, mas terá sido nos anos 90 do século passado que os esquemas da fraude se tornaram bem mais complexos e profissionais.» | António José Vilela, Apanhados
  • «A informação inicial chegou-me quase um mês antes e foi também esse o tempo que demorei a verificar e a acrescentar novos dados a uma estória que prometia alguma polémica. Afinal, não é todos os dias que se descobre que um ministro do Governo nomeia assessor um afilhado de casamento que já esteve inibido de utilizar cheques pessoais e cuja antiga empresa tem cerca de 250 mil euros de dívidas fiscais e à Segurança Social.» | António José Vilela, Apanhados