Utilizamos cookies para lhe oferecer um serviço melhor. Continue a navegar ou saiba mais.
Adicionar autor aos favoritos
AUTOR:

Susana Tavares

Nacionalidade: Portugal

Biografia: Licenciada em Jornalismo, Susana Tavares encontrou na escrita a sua vocação e paixão. Trabalhou nas principais produtoras de ficção nacionais, onde lhe passaram pelas mãos centenas de guiões de telenovelas e séries juvenis de sucesso, como Floribella ou Rebelde Way. O seu primeiro filme, Beat Girl, conta a história de uma jovem pianista dividida entre a música clássica e a música eletrónica. E ela própria tem estado dividida, desde então, entre a escrita para televisão e a escrita literária. Com a mesma facilidade e entrega, escreve para gerar imagens audiovisuais ou para apelar à imaginação.


Depois do sucesso da série juvenil Massa Fresca, que escreveu em parceria com outros autores, foi também coautora da trilogia da série transformada em livro. Ultimamente, tem mergulhado no universo dos desenhos animados, como revisora de guiões traduzidos para o canal português do Cartoon Network. Acima de tudo, faz o que gosta.

Seja o primeiro a comentar este autor
Citações:
  • «- Queremos reabilitar a antiga quinta dos avós e trans­formá-la em turismo rural. Eu sei que os avós iam gostar muito... E há meses que eu e o teu pai andamos a pensar no assunto.

     

    - Parece-nos uma boa oportunidade de investimento. Já fizemos um estudo de mercado, há muita procura nesse tipo de alojamentos e a oferta, naquela zona, é bastante reduzida... Enfim, os números são favoráveis.

     

    Se a conversa estivesse a decorrer numa janela de chat, era agora que eu largava uma série de emojis de choque e de surpresa, intercalados com um WTF????!!! em letras maiúsculas e com excesso de pontuação. Mas ali, à mesa e diante dos meus pais, só consigo abrir a boca e ficar em silêncio.

     

    «Turismo rural? Por alma de quem?!» » | Susana Tavares em «Alice no país das sapatilhas»

  • «De vez em quando pego no telemóvel, com esperança de que a rede tenha regressado à vida, mas nada. O apare­lho continua em coma profundo.

     

    - Desiste. Não há rede em parte nenhuma de Rolhas - avisa a minha mãe.

     

    - E na vila?

     

    - Já vais descobrir - diz ela, a sorrir. - O autocarro passa às oito em ponto. É esse que vais apanhar todos os dias e não o podes perder porque não há outro.

     

    Acho que não me surpreende que só passe um autocarro por dia. Surpreende-me que passe um autocarro, isso sim.» | Susana Tavares em «Alice no país das sapatilhas»

OBRAS